Gerúndio da semana: desbastando

De regresso ao planeta Terra e de espada em punho, lá desbasto eu a densa floresta de trabalhos que o jet lag e a loucura deixaram acumular. Esta semana, um livro apaixonante, um filme de cortar a respirar, um espaço a não perder e uma cor a manter debaixo de olho.

Processed with VSCOcam with p5 preset

Quem corre por gosto lá se cansa, quando sofre de insónias, empilha, utopicamente, frentes de batalha e se deixa viciar em mais e mais produtos de entretenimento!

Um livro: A obra pela qual quase fui atropelada [por uma bicicleta] tem de valer a pena, não? Os Cus de Judas de Lobo Antunes ergueram-se da minha estante – leia-se biblioteca cápsula – numa das muitas noites de insónia desta semana. Comprara-a como petisco para degustação da loucura ilegível do autor, mas mantive-a, desde então, sob as pestanas pela proximidade do seu ritmo ao compasso excêntrico do meu próprio pensamento.

Arquitectem o cruzamento entre a expressão de Lobo Antunes e a imaginação multifacetada de Murakami… A minha compilação de heróis não para de crescer!

Um filme: A escuridão vomita pseudo-cinéfilos e décadas de idas ao cinema coroadas com problemas de respiração e incontinência humorística. Oito e meio de Fellini (1963), na versão digital restaurada apresentada na Festa do Cinema Italiano, merece, contudo, qualquer sacrífico. É um esplêndido exemplo de como a insanidade pode ser, artisticamente, lucrativa!

[Apanhei, ainda, a exposição da fotorreportagem de Gideon Backmann, da revista LIFE, aos bastidores deste filme. Uma oportunidade rara de espreitar a intimidade do universo felliniano.]

IMG_20160404_224642

Um espaço: No coração da Mouraria, germina o Centro Mário Dionísio com os seus ciclos de actividades trimestrais e o seu belíssimo cinema grátis todas as segundas-feiras. Até ao final de Junho, todas as semanas, Pasolini, Tati, Antonioni, Tréfaut ou King Vidor a custo 0.

2016-04-07 11.48.21 1.jpg

Uma cor: Uma flowerista (da Essie) para garantir a boa sorte e a supremacia eterna deste Café au lait da Sally Hansen. A elegância do irreconhecido conhece a atractividade do inesperado!

Um desejo: O fim da bipolaridade meteorológica, isto é, é, profundamente, errado sair preparada para a Primavera e regressar a casa a precisar de um agasalho de Inverno. Camadas, recomendam eles. Mas o que faço eu com elas enquanto não são necessárias?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s