Que será de nós? A emigração pode ser um instinto

Quinze anos encalhada num sistema manipulador e na iminência de me ver livre dessa mão bem visível, começo a sentir o coração acelerar face à deliciosa hipótese de viver a miséria longe destas quatro paredes de conformismo. A emigração pode ser um instinto? Eu sempre a pensei assim.

d848a6ab0135c77f66ce307dae7b094c

Deitada sobre as camadas infinitas de cobertores, congeminava os dias adultos que irritavam ao tardar.

Na qualidade vítrea das minhas retinas, milhares de imagens corriam sem cessar. Aos 13 anos, o meu futuro era um plano perfeitamente estruturado sem margem para desvios. Ou assim pensava eu.

Depois, derreteu-se a fúria adolescente, metade da minha loucura e uma grande parte da eterna presunção de quem conhece cada passo a tomar até ao tremendo sucesso projectado.

Não é que os meus desejos se tenham tolhido de forma tão automática que me tenha percebido, do nada, perdida no centro do oceano.

A verdade é que, na euforia da preparação para a idealizada fase seguinte, fui esquecendo esse monumental plano de acção e hoje, no meio do Atlântico (literalmente), entre a origem, a escolha e um espírito insano de aventura, quase que arrisco um afogamento.

Correr atrás dos seus sonhos transforma-se numa caça doida à incerteza“, escreve Maxie McCoy.

No primeiro Janeiro que passei entre casas e aeroportos, sentei-me no confortável voo da manhã, livre de qualquer companhia, e aproveitei o delicioso presente que são os raios solares deste imenso céu  português.

No meu colo, escrevi a naturalização de um sonho e o vazio que sentia perante essa possibilidade esmagadora relativa à qual eu tinha menos do que zero certezas.

Levada a Lisboa por um ego que já não era bem o meu, segui uma teimosia que sabia ser um amor de longa data – o jornalismo – sem reconhecer no passo seguinte qualquer traço distinto.

“E agora?”, pensei eu aos berros comigo própria, sem saber o que fazer com esta imensa paixão sem forma para lá de um estudo empenhado.

O pânico, essa reacção monstruosa que se imbui em quase todos os grandes momentos é, caros leitores, uma artimanha útil, mas precipitada.

Hoje, perdida 80 por cento do tempo e com o grave sentimento de estar a perder parafusos a um ritmo assustador, discorro sobre os dias, já mais certa de que caminho seguir.

É pena, porém, não poder recuperar essa estratégia popular que um “eu” mais novo planeara com tanta convicção.

Mas que sabia eu de mercados sobrepopulados e vontades tresloucadas de emigrar?

“Perseguir a incerteza é viver ao máximo. Ser totalmente livre. Estar completamente assustado e, ainda assim, maravilhosamente bem”, prossegue McCoy.

Cá por mim, contaminada pela patologia do risco, do arrojo e do acaso, estou a preparar as malas para o que este amanhã não tão distante trará.

A um semestre e meio do final de tudo o que o sistema preparou para mim, nesta primeira fase, contemplo com preguiça a caça ao lugar precário que esta nação me pode oferecer.

Pesa-me o coração – não me entendam mal – ter de esticar a ligação ao meu próprio sangue, mas pouco mais me poderia manter aqui, quando no meu pulso já se começa a sentir as vibrações de um mundo muito maior do que este pequeno quintal de coligações indecisas e eleitores esquerdistas vestidos de centro-direita.

As minhas teorias sobre Portugal são prolíferas. Talvez um dia vos ouse contar.

Por agora, corro atrás do desafio e da peripécia de viver numa pobreza severa que, embora motivada pela mesma profissão, me iluminará a eventual estrada até ao topo de seja lá aquilo que nesse dia decidir conquistar.

Para ouvir: Shower de Becky G
Anúncios

8 pensamentos sobre “Que será de nós? A emigração pode ser um instinto

  1. Gostei muito deste teu “pensamento”. Realmente sempre te vi como uma pessoa que tinha tudo planeado ao pormenor. Mas acho que é inevitável sentirmos que temos de imigrar se queremos ter sucesso a um nível consideravelmente alto. Não que Portugal seja mau, afinal é a nossa terra, mas temos sede de mais. E essa sede não é saciada pelo nosso país, infelizmente.
    Quanto mais perto chega o final dessa etapa universitária , mais penso no passo seguinte. Mas também aprendi, que o planeamento não deverá ser uma solução para se seguir às cegas.
    Pensas Imigrar? Londres ainda chama por ti?
    Beijinhos Sónia

    P.S: deste-me vontade de escrever sobre o assunto 🙂

    Gostar

    1. Parte de mim quer encontrar um estágio numa redacção em qualquer parte deste mundo e partir à aventura… Afinal, sempre foi essa a minha vontade.
      Esse sentimento de liberdade que o final da licenciatura tende a gerar pode ser assustador, mas, ultimamente, tenho sentido que, se conseguir, vou experimentar a precariedade lá fora antes de cá voltar ahahah Londres é um destino caro, mas veremos até onde nos leva o futuro.

      Obrigada pela visita 🙂

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s